Menino cria sistema de energia para abastecer barracos após irmã morrer em incêndio causado por vela em MS

Rogério Gonçalves, de 13 anos, mora em um assentamento em Sidrolândia. Empreendedor, ele adaptou uma caixa de som à sua bicicleta e cobra R$10 para anunciar empresas e com um GPS, presta contas aos empresários da distância que percorreu.

Por G1 MS 04/07/2019 - 15:19 hs

Menino cria sistema de energia para abastecer barracos após irmã morrer em incêndio causado por vela em MS
Rogério e sua bicicleta que usa para anunciar propagandas de empresas de Sidrolândia (MS). — Foto: V

Rogério Gonçalves, um garoto de 13 anos, é conhecido como o "Gênio da Lâmpada" no assentamento Jatobá, em Sidrolândia, a 71 km de Campo Grande. Segundo os moradores, ele também é "um resolvedor de problemas".

Dos 185 barracos onde vivem as famílias, 8 deles possuem luz elétrica por meio de um sistema que o menino criou através de placas de rádio e bateria de celular. A ideia de não deixar a família dele e outras na escuridão, surgiu após a irmã mais velha, que ele não conheceu, morrer queimada ao dois anos de idade em um incêndio causado por uma vela no barraco que a família morava, em Nioaque (MS).


"Essa tragédia na minha família me impulsionou a criar esse sistema de energia, não só pela minha irmã que morreu, mas também para a segurança de outros barracos. Eu disse para minha mãe que iria fazer uma luz para a gente e consegui cumprir o que prometi," relembra.


Luz acesa após sistema de energia criado por garoto de 13 anos, em Sidrolândia. — Foto: Vanderi Tomé

Segundo Rogério, foi aos 5 anos que, por curiosidade, começou a mexer com elétrica. Ele criou chaves com raios de aros de bicicletas e assim podia desmontar e montar o que encontrava. "Peguei um celular e uma vez o desmontei várias vezes para saber se realmente saberia montá-lo. Para a minha surpresa, depois de deixar como estava, vi que funcionava perfeitamenteSegundo Rogério, foi aos 5 anos que, por curiosidade, começou a mexer com elétrica. Ele criou chaves com raios de aros de bicicletas e assim podia desmontar e montar o que encontrava. "Peguei um celular e uma vez o desmontei várias vezes para saber se realmente saberia montá-lo. Para a minha surpresa, depois de deixar como estava, vi que funcionava perfeitamente e aí fui progredindo em outras coisas" relembra.

De acordo com o estudante, do 7º ano, depois desse teste, conseguiu evoluir nas criações e adaptações para ajudar não só sua família, mas também facilitar a vida de outras pessoas.

Sistema de energia à prova de incêndios

O sistema que ilumina os barracos no assentamento foi feito com uma placa fotovoltaica, um emissor de energia conhecido como "diodo", uma bateria de celular e uma lâmpada. Na montagem, Rogério explica que o diodo impede a carga de voltar para a placa e assim ela não esquenta, evitando qualquer tipo de incêndio.


Placas fotovoltaica responsável por carregar baterias e gerar energia em barracos, em MS. — Foto: Diego Pavei


A mãe do adolescente, Valdirene Gonçalves, de 41 anos, diz que decidiu há um ano mudar de cidade em busca de uma vida melhor para o garoto. No barraco moram ela, o companheiro e mais dois filhos, mas o que não falta é espaço para que Rogério use a criatividade e coloque em prática suas ideias.


"Nós sempre tivemos energia em casa, mas aqui no assentamento não. Foi aí que ele começou a juntar umas placas e umas lâmpadas que ele achava na rua e quando vi, tínhamos luz em casa."


Rogério e sua mãe no assentamento Jatobá, em Sidrolândia (MS). — Foto: Diego Pavei


"Ele criou tudo isso aqui. Um curso para ajudar a desenvolver essa parte que ele gosta, o ajudaria muito a crescer como profissional", explicou ao G1.

GPS da honestidade e empreendedorismo

Rogério criou por meio de aparelhos que encontrou na rua uma caixa amplificadora e adaptou em sua bicicleta. Ele grava áudios, como uma espécie de propaganda e sai pelas ruas da cidade anunciando produtos de empresas.

"Eu usei um som de carro que estava quebrado, peças de um guarda-roupa e coloquei em uma caixa de hortifruti. O áudio é amplificado via bluetooth. Ganhei um GPS quebrado da minha professora, consertei e agora ele serve como prova para os clientes do quanto andei, por onde andei e quanto tempo parei. Cada hora que anuncio os produtos das empresas, cobro um valor de R$ 10 reais."


A história do rapaz começou a fazer sucesso nas redes sociais após uma postagem do empresário Diego Pavei, que com a repercussão, levou-o para participar de uma reunião com 200 empresários na capital de MS.


"Eu achei fantástica a ideia dele. Logo pensei em conhecê-lo e fui ver se ele fazia aquilo porque era obrigado ou se era de iniciativa própria. Quando descobri o que ele criava, eu realmente vi que esse rapaz é um prodígio", explica.

De acordo com o empresário, o adolescente tem um potencial muito grande na área de desenvolvimento de tecnologia, mas precisa de estrutura: "A cabeça dele está lá na frente e é possível ver esse desenvolvimento pelas coisas que ele consegue fazer sozinho", finaliza.

Conforme Rogério, as ideias para invenções não param: a próxima é criar uma bicicleta cujas rodas possam gerar energia para movimentá-la. Na área de estudo, quer investir em tecnologia, para ajudar a facilitar a vida das pessoas "desde que seja de forma consciente e sustentável".


Garoto sonha em ser um profissional da área de tecnologia. — Foto: Vanderi Tomé